21 ANOS DEPOIS DA GRANDE CONQUISTA QUE NOS LIVROU DO JEJUM DE 21 ANOS, FOMOS NOVAMENTE CAMPEÕES DERROTANDO O FLAMENGO. AS COINCIDÊNCIAS COM O TÍTULO DE 89 NÃO PARAM POR AÍ, TANTO QUE, NA ÚLTIMA HORA NOSSO LIVRO GANHOU UM CAPÍTULO EXTRA QUE TRAÇA UM PARALELO ENTRE 1989 E 2010. TÁ "LOCO PRA LER"? FALTA POUCO...

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Hotsite do livro


Caros amigos botafoguenses

Nosso livro agora tem um hotsite, com vários atrativos e degustações.

Acesse o site de nossa editora: http://www.livrosdefutebol.com/ ou clique no banner acima.

Por conta disso, as atualizações que eram feitas aqui, passam a ser feitas lá.

Mas valeu a visitação de vocês. Quase 3.000 pessoas passaram por aqui.

Abraços, Paulo Marcelo Sampaio e Rafael Casé

domingo, 23 de maio de 2010

Gol no finzinho

Rumo ao título da Taça Rio, o Botafogo passa pelo Volt Redonda, na Cidade do Aço. O gol salvador veio no último minuto. Sorte de campeão.
video

sábado, 15 de maio de 2010

Com a benção do samba

Conseguimos fotos geniais e inéditas dos jogadores e de até Emil Pinheiro participando do coro de uma música de Beth Carvalho em homenagem ao Fogão. Abaixo, só um tira-gosto.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Espinha de bacalhau

Mais um jogo contra o Vasco em que jogamos melhor, mas não conseguimos vencer.

video

O jogo mais emocionante de todos

Mais um confronto com o Flamengo, numa chuvosa tarde-noite de domingo. Eles chegaram a abrir 3x1, mas nosso time raçudo foi atrás do empate, com a ajuda do já alvinegro (sem saber) Gonçalves e de Vítor, autor do gol mais importante do campeonato.

video

terça-feira, 4 de maio de 2010

A lista de 2.121 testemunhas oculares da história


Quando decidimos homenagear a nossa torcida no livro, resolvemos incluir uma lista de 2.121 (21 depois de 21) botafoguenses que estavam no Maracanã naquela noite mágica. Pois bem, a lista foi fechada hoje. Já temos todos os nomes, como também já temos os 89 relatos de quem viveu a emoção daquela decisão.

Contagem regressiva


Com o fechamento da lista, o livro segue para diagramação e dpois para a gráfica. Dia 21 de junho, estará prontinho para ser lançado durante uma grande festa em homenagem aos campeões de 89 no "solo sagrado" de General Severiano. Vários jogadores já confirmaram presença. Vocês não perdem por esperar.... Muitas surpresas estão sendo preparadas para este dia glorioso.


domingo, 18 de abril de 2010

21.... SEMPRE 21


21 DEPOIS DE 21, CAMPEÕES DE NOVO!

21 ANOS DEPOIS DO TÍTULO DE 89, MAIS UMA VEZ DERROTAMOS O TIME DA LAGOA. AQUELE DE UM TAL IMPÉRIO (QUE NÃO É O SERRANO).

SE O 21 MARCOU NAQUELA DECISÃO, NESTA TAMBÉM. VEJAMOS:
2010: TEM 2, TEM 1, TEM 21

HERRERA (17) + LOCO (13) - LOVE (9) = 21

O PLACAR: 2 X 1 = 21

SEBASTIAN ABREU + HERRERA = 21 LETRAS

FOGOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Sabe quem são?


Tente adivinhar quem são os dois meinos nessa foto. Um dica. Um deles vai ter uma participação especialíssimo no nosso livro.

Cai-cai rubro

Na segunda partida do segundo turno, o América fez feio. Perdendo a partida, quase apelou para o cai-cai. Houve a ordem para que os jogadores simulssem contusões, de modo que o jogo acabasse antes. Mas, o bom senso acabou prevalecendo e um dos "contundidos" voltou a campo e a partida pôde seguir atá o fim.
video

Quase, quase


Você sabia que Paulinho Criciúma quase foi jogador do Botafogo muito antes do campeonato de 89. Por conta desta reportagem que sai na Placar, o menino Paulinho por pouco não vestiu o manto alvinegro em 1981.


sexta-feira, 26 de março de 2010

Começar de novo

Depois de perder o primeiro turno por um pontinho, só cabia àquele grupo, recomeçar a caminhada do zero. O primeiro adversário e a primeira vitória vieram no dia 30/4. Dois a zero sobre o Nova Cidade, no Louzadão, em Mesquita.
video

Botando o bloco na rua

A festa do título de 89 não se resumiu apenas às arquibancdasa do maior do mundo. A torcida tomou as ruas de madrugada, fechou túneis, lotou o Mourisco, invadiu o casarão abandonado de General severiano e, no dia seguinte, tomou de assalo o centro financeiro do Rio. Com a ajuda da Confraria do garoto, fechamos a Rio Branco e lotamos o Largo da Carioca. A foto abaixo é daquele dia.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Gustavo, sempre presente


O ponta Gustavo foi um dos jogadores que mais atuou naquela conquita. Foram 20 jogos. Mesmo quando não começava jogando, entrava no andamento da partida. Era um dos coringas na mão de Espinosa. Na entrevista que deu para o livro, Gustavo conta que em 89 realizou seu mauior sonho. Desde criança, já alvinegro, desejava ser campeão pelo alvinegro, mas não servia ser em cima de cqualquer clube não, ele queria o Flamengo.


quarta-feira, 10 de março de 2010

Que timaço

Resolvemos botar em campo algumas das feras do jornalismo esporivo e até da literatura que estarão presentes no livro.






Em pé: Roberto Porto, José Inácio Werneck, Armando Nogueira, Paulo mendes Campos, Sérgio Cabral e Sandro Moreyra

Agachados: João Moreira Salles, João Saldanha, Juca Kfouri, Paulinho Criciúma (autor do prefácio) e Arthur Dapieve.

sábado, 6 de março de 2010

Reforços de luxo

O livro "21 depois de 21" vai reunir textos de grandes cronistas es portivos e outras personalidades (alvinegros ou não) sobre nossa conqusita. Confira alguns deles.
Armando Nogueira


João Saldanha Sandro Moreyra Arthur Dapieve João Moreira Salles

Juca Kfouri

Virando a noite

A madrugada do dia 22 de junho de 89 foi agitada para nossos campeões. A maioria deles se reuniu na antiga boate Calígola, em Ipanema. Mazolinha conta que quando chegou lá deu duas voltas na pista de dança sem conseguir colocar os pés no chão, carregado por dezenas de alvinegros e ao som da gravação do gol do título.


Jornais e revistas



Um de nossos trabalhos, neste livro, tem sido fazer um levantamento das reportagens, artigos e charges publicados sobre a conquista do título de 89. Abaixo, duas belas páginas da Placar.




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Já temos o prefácio


Nós, os autores e o editor do livro "21depois de 21", temos a honra de comunicar que o prefácio já se encontra pronto e que seu autor é uma das figuras mais marcantes daquela conquista: o nosso artilheiro Paulinho Criciúma. O texto transborda sinceridade e emoção. Vocês não perdem por esperar.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Gols decisivos antes mesmo dos autores usarem a camisa alvinegra

Esta campanha de 89 tem uma curiosidade. Dois gols decisivos para nosso título foram marcados por jogadores de outros tiimes, mas que depois fariam história com a estrela solitária no peito. P primeiro deles foi marcado pelo zagueiro Gonçalves, quando atuava pelo Flamengo, naquele 3 x 3 do segundo turno. Gonçalves, depois conquitaria dois títulos estaduais (90 e 97) e o título brasileiro de 95, pelo Botafogo.
Já Paulo Roberto, que também terá seu depoimento no livro, fez o gol, que nos garantiu o título da Taça Rio de 89, na vitória de 2 x 1 sobre o Flamengo. Com a ida de Josimar para a Gávea, Paulo Roberto deixa São Januário e segue para o Botafogo, onde seria campeão carioca no ano seguinte.




sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

O hino do título



Quem também vai participar do livro "21 depois de 21" é a sambista Beth Carvalho, botafiguense de carteirinha. Além de estar presentes nas duas partidas das finais com o Flamengo, a cantora comandou um bando de alucinados alvinegros no velho ginásio do Mourisco. Pouco depois da conquista, ela gravou o samba "Botafogo Campeão", que resume o alívio de se livrar de tão pesado jejum. A gravação teve um detelhe curiosíssimo. Mas aí, só lendo o livro pra saber...

Botafogo Campeão

Beth Carvalho

E dá-lhe Fogo, e dá-lhe Fogo olê olê olê
E dá-lhe Fogo, e dá-lhe Fogo olê olê olê

Alô nação Alvinegra valeu!
Esse é o Botafogo que eu gosto
Esse é o Botafogo que eu conheço
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço

Mais é esse
Esse é o Botafogo que eu gosto (que eu gosto) 2x
Esse é o Botafogo que eu conheço
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço

É tão bonito ver
Minha gente sorrindo de emoção
O meu Brasil de ponta à ponta chorando, vibrando
Saudando o Botafogo campeão

O meu Brasil de ponta à ponta chorando, vibrando
Saudando o Glorioso campeão

É esse
Esse é o Botafogo que eu gosto (que eu gosto) 2x
Esse é o Botafogo que eu conheço
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço

Mais é esse
Esse é o Botafogo que eu gosto (que eu gosto) 2x
Esse é o Botafogo que eu conheço (que eu conheço)
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço

É tão bonito ver
Minha gente sorrindo de emoção
O meu Brasil de ponta à ponta chorando, vibrando
Saudando o Botafogo campeão

O meu Brasil de ponta à ponta chorando, vibrando
Saudando o Glorioso campeão

É esse
Esse é o Botafogo que eu gosto (que eu gosto) 2x
Esse é o Botafogo que eu conheço (que eu conheço)
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço

Mais é esse
Esse é o Botafogo que eu gosto (que eu gosto) 2x
Esse é o Botafogo que eu conheço (que eu conheço)
Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus
Deixa eu festejar que eu mereço.

Um empate que nos tirou o título

Com o empate com o Fluminense na penúltima rodada da Taça Guanabara, perdemos a liderança para o time da beira da Lagoa. E nem a boa vitória sobre o Bangu, em moça Bonita nos foi suficiente para conseguir conquistar o primeiro turno.


video

O maior alvinegro do rádio brasileiro

Quem acompanha o Botafogo pelo radinho reconhece, de imediato, a voz de Waldir Luiz. Ele está nas ondas do rádio há bastante tempo. E sempre na cola do alvinegro, que é sua grande paixão. Waldir aconmpanhou bem deperto toda a campanha de 89 e contou detalhes de bastidores para nosso livro. Um dos mais cabeludos é a troca de malas brancas no final da Taça Rio. Primeiro foi a mala da Gávea, em direção a Bangu. Depois foi a mala alvinegra, em direção a São Januário, uma negociação da qual o próprio radialista tomou parte.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

De vento em popa

No estádio de São Januário lotado, o Botafogo passou pelo Americano por 2 a 0. Gols de Josimar e Paulinho Criciúma. confira como foi. O título parecia próximo...


video

Ídolos sempre presentes



A torcida Loucos pelo Botafogo se preocupa em eternizar nossos craques, através de grandes bandeiras que tremulam no Engenhão e onde o Botafogo estiver. O grupo de 89 ganhou duas. Uma em homenagem a Maurício e outra com a imagem do time todo.




segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A ressaca da vitória

Sete da manhã do dia 22 de junho de 1989. A festa botafoguense insiste em continuar. Depois de passar a noite inteira celebrando numa boate, Mazolinha vai parar em um barzinho em Ipanema. E lá encontra dois torcedores ilustres: a sambista Beth Carvalho e o ator Stepan Nercessian. Essa e outras histórias ainda emocionam o irreverente atacante, 21 anos depois. E todas elas vão estar no livro "21 depois de 21".

domingo, 7 de fevereiro de 2010

No alçapão da Região dos Lagos

Um dos jogos mais complicados do primeiro turno foi contra a Cabofriense, no estádio Hermenegildo Barcellos, em Arraial do Cabo. Dois a zero pra nós. Dos gols de Criciúma.

video

A camisa original





A conquista de 89 foi inesquecível para aqueles que participaram daquela campanha invicta. A maioria dos jogadores ainda guarda a camisa usada naquele dia 21 de junho de 1989. É o caso do lateral Marquinho.




sábado, 6 de fevereiro de 2010

Vítor, o homem que fez o morto levantar



Depois da partida entre Botafogo e o time da Gávea, no segundo turno de 89. O pessoal do clbe da beira da Lagoa ganhava por 3 x 1 quando Vítor entrou em campo. Chovia no Rio de Janeiro e o resultado era uma verdadeira calamidade para as apirações do título. Gonçalves, futuro ídolo alvinegro, deu uma mãozinha e fez contra. Aos 43 minutos Vítor recebeu um passe açucarado de Mauro Galvão e empatou a partida.


"Eu peguei a bola, cortei o falecido goleiro Zé Carlos, um grande amigo meu, tirei o zagueiro e toquei pro gol.", lembra a fera na entrevista que deu para o nosso livro.


Depois do jogo restou a Zico um desabafo quase profético: "Ressuscitamos um morto."

Marquinho - De Cambé para o mundo



Paulo Marcelo foi até o norte do Paraná para encontrar Marcos Vinícius Ribeiro, o Marquinho, nosso lateral-esquerdo na conquista de 89. Na entrevista ele contou histórias daquele grupo, algumas delas curiosas. Uma delas ele conta aqui:


"No Rio tudo é bonito. Quem mora lá às vezes nem nota. Até o céu lá é diferente. É um lugar abençoado mesmo. Um dia nós fomos correr lá em cima nas Paineiras e eu parei pra ver aquela vista linda. Meio disfarçado, pra não parecer bicho do mato na cidade grande.De repente o Gottardo veio por trás de mim, devagarinho e falou: ‘Que isso, hein? De Cambé para o mundo....’.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Mais um registro da homenagem

Pescamos no YouTube um registro da homengem aos campeões de 89, feita em junho deste ano, no Engenhão. As imagens não são lá essa coisas, mas mostram o carinho da torcida por esses jogadores.

video

No ano que vem, no lançamento do livro "21 depois de 21" faremos uma grande festa para os campeões.

domingo, 20 de setembro de 2009

Emil: de bobo ele não tinha nada

A figura de Emil Pinheiro muitas vezes é associada a de uma pessoa ingênua, que se envolveu no futebol sem saber onde estava se metendo. Pois, de bobo, Emil não tinha nada. Aliás, alguém, em sã consciência, acredita que um banqueiro do jogo do bicho possa ser uma pessoa ingênua?

Emil foi para o Botafogo para cumprir uma promessa que tinha feito ao filho, pouco antes deste morrer, vítima de um acidente. Ele jurou não deixar o Botafogo acabar. Nessa ânsia, como lembra Valdir Espinosa, negociou jogadores que eram prometidos como grandes talentos, mas que pouco ou nada fizeram pelo clube.

De acordo com todos os que ouvimos até agora, Emil entendia de futebol, mas não foi seu conhecimento do esporte que o levou a tirar o Botafogo do ostracismo de 21 anos sem título, e sim seu jeito de lidar com os jogadores e com a comissão técnica, como mostra o depoimento de Carlos Alberto Santos:
- A figura central que uniu aquele grupo foi Emil Pinheiro. Ele era dócil com o grupo, uma figura paternalista e muito boa com a gente. Ele disse que tínhamos de conquistar o título. Ele é uma figura inesquecível.
Emil não era santo. Longe disso. Ser um dos "Capos" do jogo do bicho prova isso. Mas o bem que ele fez ao Botafogo não pode ser minimizado nem esquecido. Durante um bom tempo, a foto de "seu" Emil esteve fora da galeria de presidentes de General Severiano. Felizmente voltaram atrás e o incluíram. Renegar o passado é uma estupidez tão grande como não sonhar com um futuro melhor.



segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Depois de 2 empates, uma vitória

Após tropeçar no Volta Redonda, o Botafogo ficou no 0 x 0 com o Vasco. O reencontro com a vitória veio na rua Bariri. Estádio lotado de alvinegros e uma goleada de 3 x 1. A narração é de Alberto Léo.

video

sábado, 12 de setembro de 2009

O Maestro


Vadir Espinosa tem dois títulos em seu coração: o do Mundial Interclubes, com o Grêmio, e o carioca de 89, com o Botafogo. E não tem dúvidas ao classificar o título alvinegro como o mais importante de todos, por sua repercussão nacional. No bate-papo que tivemos, num bar da Barra da Tijuca, Espinoso relembrou histórias sensacionais sobre a conquista. Falou sobre a reação de colegas de profissão quando aceitou o convite de Emil Pinheiro. Treinadores como Telê Santana e Rubens Minelli quase deram pêsames ao colega gaúcho ao saberem da notícia. Espinosa também lembrou de um momento marcante daquela campanha. A partida contra o Volta Redonda, na Taça Guanabara. O Botafogo apenas empatou em 1 x 1 com o time da Cidade do Aço (Vejam os gols no vídeo abaixo). Na saída, torcedores estavam à espera do time, mas, ao invés de vaias, cantava palavras de incentivo ao grupo. Era a prova que faltava para que os jogadores acreditassem que a torcida iria junto com eles rumo ao título.


video

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Perigo de gol, a favor do Flamengo, claro...

Na terceira rodada da Taça Guanabara, contra o Flamengo, um dos lances mais bizarros da história da competição. Com a partida empatada em 1 x 1, o juiz Luis Carlos Félix apita o fim do jogo quando segundos antes de Paulinho Criciúma completar para o gol. O capitão Mauro Galvão disse tudo. O juiz marcou perigo de gol.

video

Segunda rodada da Taça GB

Depois de vencer o América na estréia, o Botafogo vence mais uma na Taça Guanabara.

video

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Mauro Capitão Galvão

Com aquela calma, categoria e segurança que apresentava em campo, nosso eterno capitão, Mauro Galvão nos recebeu, para falar sobre o título de 89. Na entrevista, concedida no Hotel Excelsior, em Copacabana, onde Mauro estava concentrado junto com o Grêmio, falou sobre diversos assuntos: sua transferência para o Botafogo, em 88, a força defensiva daquela equipe e o espírito de equipe do grupo. Mauro também nos contou uma situação engraçada que aconteceu depois da final. Ele foi , junto com a família, comemorar em um restaurante em Ipanema. Quando chegou lá, estava cheio de torcedores do Botafogo. Foi a maior festa. "O problema é que eles queriam que eu subisse numa mesa e fizesse, um discurso...". O discurso não saiu, só um agradecimento à torcida, com direito a uma grande salva de palmas. Muito merecidas, por sinal.




quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Taí o que você queria...

O livro "21 depois de 21" vai contar com o auxílio luxuoso dos infogols de Edson Teramatsu. Ele faz aqueles belos infográficos que mostram como foram marcados os gols. E o desafio da vez é retratar todos os tentos alvinegros marcados na campanha de 1989.

Este infogol aqui foi feito para o livro "O artilheiro que não sorria", biografia do atacante Quarentinha. Quer conhecer um pouco mais do trabalho dele? É só clicar no link aí de baixo.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Luisinho: a sombra de Zico

Mais uma entrevista para o livro, desta vez com o meio-campo Luisinho, um dos poucos jogadores do grupo de 89 que vinha das divisões de base do clube. Luisinho entrou no infantil do Botafogo aos 13 anos. No primeiro jogo da final, não deixou Zico andar em campo e deu um nó no time do Flamengo. "E sem fazer uma falta sequer", se orgulha em dizer. Um fato curioso é que durante a entrevista, o atacante Bebeto, que estava do ouro lado naquela final, passou por nós e parou para cumprimentar Luisinho. Ele falou qual era o tema da entrevista, mas o ex-rubronegro não se interessou muito em dar sua contribuição... Por que será? rsss......


quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Ode a 89


Depois da conquista de 1989, a rádio globo lançou um LP (coisa da antiga) com os principais momentos da conquista. Neste disco foi gravado um texto de exaltação ao Botafogo e à torcida. Confira no vídeo abaixo.


video

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Primeiro passo para o título

Na reportagem do Globo Esporte do dia 13 de fevereiro de 1989, o registro daquele que seria o primeiro passo para a conquista do título estadual. No texto do ótimo repórter Marcos Uchoa, a desconfiança, até certo ponto lógica, sobre uma equipe com poucas mudanças em relação ao ano anterior. Mas, reparem no tom das entrevistas de Espinosa e Emil Pinheiro, ambos confiantes e traquilos. Um bom sinal...
video

domingo, 16 de agosto de 2009

Raízes de uma conquista

Vejam a reportagem da chegada de Paulinho Criciúma e MauroGalvão ao Botafogo, em 1988. No ano seguinte, os dois seriam fundamentais para o fim do jejum de títulos.

video

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A gloriosa campanha


Relembre como foi a campanha de 1989.


1º TURNO - TAÇA GUANABARA

12/Fev América 0-1 Botafogo
19/Fev Botafogo 3-0 Nova Cidade
26/Fev Botafogo 1-1 Flamengo
04/Mar Botafogo 1-1 Volta Redonda
12/Mar Botafogo 0-0 Vasco
20/Mar Olaria 1-3 Botafogo
02/Abr Botafogo 2-0 Americano
16/Abr Fluminense 0-0 Botafogo
22/Abr Bangu 0-2 Botafogo

2º TURNO - TAÇA RIO DE JANEIRO

30/Abr Nova Cidade 0-2 Botafogo
03/Mai Botafogo 1-0 América
07/Mai Flamengo 3-3 Botafogo
14/Mai Vasco 1-1 Botafogo
17/Mai Volta Redonda 1-2 Botafogo
21/Mai Botafogo 2-2 Fluminense
27/Mai Botafogo 2-0 Cabofriense
31/Mai Botafogo 2-1 Porto Alegre
04/Jun Americano 0-1 Botafogo
07/Jun Botafogo 1-0 Olaria
10/Jun Botafogo 0-0 Bangu

FINAIS *


Flamengo 0 x 0 Botafogo
Botafogo 1 x 0 Flamengo

*Por ter a melhor campanha, o Botafogo ganhou um ponto extra para as finais


CLASSIFICAÇÂO FINAL


1. Botafogo 36

2. Flamengo 35

3. Vasco 32

4. Fluminense 27

5. Americano 23

6. Porto Alegre 22

7. Bangu 20

8. Nova Cidade 16

9. América 15

10. Cabofriense 15

11. Volta Redonda 14 (rebaixado)

12. Olaria 9 (rebaixado)

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Carlos Alberto Santos: o ponto de equilíbrio

Nesta quinta-feira, 6 de agosto, entrevistamos o meia Carlos Alberto Santos, um dos principais responsáveis pelo equilíbrio daquele time de 1989. Segundo ele, pode até haver outro dirigente que se equipare a Emil Pinheiro, mas que jamais haverá algum que o supere. Carlos Alberto contou como era a relação do grupo com Emil. Ele também contou porque, ao final da partida que garantiu o título, preferiu seguir para o vestiário, ao invés de comemorar com os demais companheiros no gramado.





segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A Taça: este doce objeto do desejo


Esta foto aí em cima, encontrei no site da ABI, junto a um artigo de José Rezende. Não a conhecia. Mostra bem a emoção de Paulinho Criciúma, Mazolinha e Mauro Galvão, além de um sorridente Waldir Luiz, o mais alvinegro dos repórteres de rádio. Em baixo, a foto tirada no dia da homenagem aos campeões, no Engenhão. Os autores do livro têm a honra de estarem nela.


domingo, 2 de agosto de 2009

Baú do Assaf

O programa Baú do Assaf, da TV Lance!, teve uma edição especial sobre o fim do nosso jejum de títulos. O flamenguista e grande pesquisador do futebol, Roberto Assaf, entrevistou o técnico Valdir Espinosa sobre a conquista de 89. O link é http://www.lancenet.com.br/multimidia/baudoassaf/


O "cor-de-rosa" da vitória


Em 1989, o Jornal dos Sports era o principal diário esportivo do Rio. Segundo o presidente da época, o flamenguista Luiz Augusto Veloso, o JS só não imprimiu mais jornais aquele dia porque não tinha papel suficiente. As kombis de distribuição nem conseguiam sair da antiga sede, na rua Tenente Possolo, na Lapa. Os exemplares iam sendo vendidos ali mesmo.